segunda-feira, 31 de julho de 2017

UMA REINAUGURAÇÃO HISTÓRICA AGITOU BOM JESUS DO ITABAPOANA


Ontem, dia 30 de julho, foi uma data histórica para a Usina Santa Isabel e Bom Jesus do Itabapoana, dentro do 8º Circuito Cultural Arte Entre Povos.

Com grande satisfação e consciência do dever cumprido, o jornal O Norte Fluminense custeou o teto metálico e as reformas que possibilitaram a reinauguração da sede do Santa Isabel F.C., em cujas paredes constam pinturas feitas pelo pintor baiano Delio Porto, há 55 anos atrás, ocasião da fundação da sede.

Na oportunidade, foram realizadas duas oficinas para crianças e jovens. A oficina de artes plásticas foi ministrada pelo consagrado artista cubano Francisco Rivero. Graduado no Instituto Superior de Desenho de Havana, Rivero, que trabalha em Paris (França), realizou desenhos e ilustrações para editoras em Cuba, França, Alemanha, Grécia, Canadá, Rússia, Espanha e Nigéria. É autor de murais na França, Bélgica, Itália, Suécia, Espanha, Andorra, Lituânia e Macedônia (ex-Iugoslávia). Realizou exposições em Cuba, França, Lituânia e Brasil.

A outra oficina, de desenho a lápis, ocorreu com o destacado desenhista bonjesuense Gerson Carlota.

Com esse agir, o jornal ojbetiva fazer da Usina Santa Isabel um polo de desenvolvimento cultural não só na região, mas de todo o estado.

Na contramão do espírito de abatimento que domina o país, a Usina Santa Isabel e Bom Jesus do Itabapoana, bebendo da gloriosa fonte de nossa rica cultura do passado, aponta para o futuro com fé e esperança.

As imagens do vídeo foram feitas por Maria Beatriz, diretora do CCMB (Centro Cultural Maria Beatriz), de Laje do Muriaé (RJ), entidade que coordena nacionalmente o 8º Circuito Cultural Arte Entre Povos.


Jornal O Norte Fluminense restabeleceu o prédio da sede do Santa Isabel F.C., que estava abandonado 

Hora do Mamaço espera reunir dezenas de famílias


Ato para incentivar a amamentação acontece dia 5, na Praia do Pecado


No sábado, dia 5 de agosto, um grande ato para marcar a importância do aleitamento materno vai ser realizado em Macaé. Pelo segundo ano consecutivo, o Humanize Saúde – uma equipe interdisciplinar de apoio à gestação, parto humanizado, puerpério e amamentação vai organizar a iniciativa que acontece em dezenas de cidades brasileiras durante a Semana Mundial da Amamentação. A “Hora do Mamaço 2017” será realizada no quiosque Arco-Íris, na Praia do Pecado, das 10h ao meio dia, e é destinada a todas as famílias que vivenciam a experiência da amamentação ou têm interesse em saber mais a respeito.
“Queremos reunir não só as mães e os bebês, mas diversos membros da família para sensibilizá-los sobre a importância do fortalecimento da rede de apoio à amamentação, como também a necessidade do aleitamento para a saúde e o vínculo familiar”, explicou o médico André Gervásio, obstetra do Humanize Saúde.
A atividade, que é gratuita, faz parte de um movimento nacional que acontece há quatro anos em mais de 70 cidades, durante a Semana Mundial da Amamentação, entre os dias 1 e 8 de agosto. Com o objetivo de sensibilizar as pessoas sobre o ato de amamentar, sobre a amamentação livre de preconceito e a importância das redes de apoio, neste ano o tema criado foi “Todos juntos pela amamentação”, em alusão ao incentivo e ao acompanhamento de toda a família para a prática do aleitamento no pós-parto.
A programação planejada pelo Humanize Saúde prevê relatos de mães que amamentam, troca de experiências, conscientização, bate-papo sobre o apoio do pai e da família para a amamentação e sobre o movimento organizado para a criação de um banco de leite em Macaé. Além disso, uma atividade de musicalização infantil será realizada pelo músico Ricardo Badaró, do Florescer – Centro de Terapias Integradas, que promete fazer a alegria da criançada presente.
A dinâmica de todas as mães amamentarem ao mesmo tempo é o auge do evento. Para se sentirem mais confortáveis, a organização o Mamaço sugere que as famílias levem cangas para estender.
O Mamaço se originou na França, em 2006, numa reunião de mães que tiveram a ideia de amamentar simultaneamente os seus bebês em um grande encontro nacional.
Desde que o movimento começo no Brasil, uma das conquistas mais importantes foi a contribuição para a aprovação da Lei nº 414/2015, que proíbe a estabelecimentos que impeçam mulheres de amamentar em público.
A Hora do Mamaço 2017 em Macaé é uma realização do Humanize Saúde e conta com o apoio da Mídiattiva, Mila Gripp Fotografia, Ana Amado Photography, DNA Pilates e Estética, Papo de Infância, FloreSer e Bell´ Água Mineral.

SERVIÇO:

A Hora do Mamaço – Todos Juntos Pela Amamentação
05 de agosto
Quiosque Arco-Íris – Praia do Pecado - Macaé
10h às 12h


Entrada franca

domingo, 30 de julho de 2017

USINA SANTA ISABEL ERA CONHECIDA COMO USINA PAU-FERRO QUANDO PERTENCEU A JOÃO SOARES, NA DÉCADA DE 1930


 Usina Pau-Ferro foi o primeiro nome da Usina Santa Isabel


Hoje, às 14h, será reinaugurada a sede do Santa Isabel F.C.,  dentro da programação do 8º Circuito Cultural Arte Entre Povos. 


                        Um pouco de história


Em entrevista ao jornal O Norte Fluminense, em 2013, o empresário João Bousquet Júnior, conhecido como Joãozinho Bousquet, informou que a  Usina Santa Isabel pertenceu a João Soares na década de 1930.

Segundo ele, que nasceu em Cambuci (RJ), em 06/09/1915,  " a família Bousquet veio ao Brasil, no passado, em uma leva de europeus que foram para Nova Friburgo. Em 1926, veio para Bom Jesus do Itabapoana, atraída pelo café da região. Em 1934, substituí Joaquim Ferreira Ramos na empresa de João Ferreira Soares, que era sobrinho de Carlos Firmo. João Soares era proprietário da Usina de Força e Luz Itabapoana, da Usina Santa Isabel e da Estrada de Ferro Itabapoana. Recordo-me que João Soares costumava dizer: 'quando quero ver um homem honesto, vou ao espelho' ".



Joãozinho Bousquet trabalhou para João Soares na década de 1930

Por outro lado, Manoel Mangaravite, nascido Bom Jesus do Norte (ES), no dia 11 de fevereiro de 1941, e que trabalhou na Usina Mangaravite, de propriedade de João Ferreira Soares, a partir de 1959, afirmou ao O Norte Fluminense, em entrevista ocorrida em 2017, que "a Usina Santa Isabel, quando era proprietária de João Ferreira Soares, se chamava Usina Pau-Ferro. Foi Jorge Pereira Pinto que, ao adquiri-la, passou a nominá-la de Usina Santa Isabel".



Manoel Mangaravite: a Usina Santa Isabel se chamava Usina Pau Ferro

A alteração do nome de Usina Pau-Ferro para Usina Santa Isabel foi, certamente, influenciada por Padre Mello, que foi considerado um "gênio da civilização e da cultura" pelo escritor bonjesuense Delton de Mattos, Doutor em Letras, ex-professor da USP (Universidade de São Paulo), da Universidade de Heildeberg (Alemanha) e da Universidade de Brasília. Nascido na Ilha de São Miguel, no Arquipélago de Açores (Portugal), Padre Mello chegou a Bom Jesus do Itabapoana no dia 18 de junho de 1899 e aqui permaneceu por quase meio século, falecendo às 13h30min do dia 13 de agosto de 1947. 



Fazenda de Fortunato Mangaravite, avô de Manoel Mangaravite, em Bom Jesus do Norte (ES), em 1915, vendo-se Padre Mello de batina branca (acervo de Manoel Mangaravite)
             

PADRE ANTONIO FRANCISCO DE MELLO
Padre Mello influenciou na alteração do nome da Usina Pau Ferro para Usina Santa Isabel



JAILTON DA PENHA ESCREVEU DOIS LIVROS SOBRE A USINA SANTA ISABEL


Jailton da Penha: ícone da Usina Santa Isabel


Jailton da Penha, natural da Usina Santa Isabel, é um dos nomes de destaque de nossa sociedade. Radialista, blogueiro, colunista do Jornal O Norte Fluminense e da Revista O Empresário, foi Presidente do Santa Isabel F.C e ex-atleta da agremiação, e escreveu dois livros exaltando a comunidade.

O primeiro foi "Santa Isabel, Uma Paixão em Azul, Vermelho e Branco", narrando a trajetória do time usineiro desde os meados do século passado até o ano de 2012, exaltando o feito dos  seus inúmeros atletas.


"Usina Santa Isabel, Jamais Esquecida" foi outra obra, prefaciada pelo Dr. Luciano Augusto Bastos, onde narra o período áureo da safra suco-açucareiro e a decadência de uma das mais importantes empresas do Vale do Itabapoana.







sexta-feira, 28 de julho de 2017

CIRCUITO CULTURAL INICIA AMANHÃ, CELEBRANDO A VIDA E A ESPERANÇA


23º Festival de Crustáceos e Frutos do Mar de Barra de São João


De 28 a 30 de julho, na Beira-Rio. Culinária, artesanato, música e cultura no paraíso



Um lugar inesquecível, uma paisagem estonteante, um ambiente acolhedor e mesas bem postas na beira de um rio! Este paraíso, que soma suas belezas naturais com gastronomia caiçara, fica em Barra de São João, distrito de Casimiro de Abreu, na margem do Rio São João, entre Búzios, Cabo Frio e Rio das Ostras (via paralela à RJ-106).

Cenário perfeito para a 23ª edição do Festival de Crustáceos e Frutos do Mar de Barra de São João que será realizado neste fim de semana, do dia 28 ao dia 30 de julho, na Rua Bernardo Gomes. Conhecido como Beira-Rio, o local é um convite para desfrutar receitas diferenciadas entre árvores centenárias, casarios antigos e um esplendoroso pôr do sol.

E como em terra de poeta tudo é verso e rima, a programação do 23º Festival contemplará culinária, artesanato, música e cultura. De sexta, às 19h, até a meia-noite de domingo, o evento oferecerá ao público dez estandes com 30 mesas, cada, onde os 10 restaurantes participantes servirão pratos especiais ao preço único de R$ 20. No domingo, a novidade será a degustação do saboroso guaiamum, um caranguejo típico da região servido com farinha, feijão preto e pimenta.

Nos três dias cerca de 10 bandas regionais de MBP e Pop Rock se apresentarão no palco principal e no tablado montado próximo aos restaurantes. Única apresentação de fora, a Banda Faixa Etária faz show na sexta, às 23h, com clássicos do Rock nacional e internacional. Além da boa música e das receitas tentadoras, o público poderá adquirir lembranças produzidas pelos artistas locais na Feira de Artesanato.

Entre as atividades culturais organizadas pela Fundação Cultural Casimiro de Abreu, haverá apresentação teatral, coral, contação de histórias, workshop de dança e desenho; e visitação ao Museu de Casimiro de Abreu, antiga casa de negócios do pai do poeta, que nasceu em Barra de São João e viveu apenas 23 anos (1837-1860).

Segundo o secretário municipal de Turismo de Casimiro de Abreu, Victor Varela, após dois anos sem promover a festa é uma alegria retornar com o mais importante evento gastronômico do município, em parceria com a iniciativa privada e valorizando os “talentos da terra”. O advogado e proprietário do Restaurante O Caiçara, Durval Fagundes, sobrinho da escritora Lygia Fagundes Telles, está à frente do projeto para transformar a Beira-Rio em centro gastronômico e cultural. E seu empenho vale a pena! Da Beira-Rio, entre quitutes, música e muita prosa, é possível avistar o imponente Morro São João (800 m) e curtir um passeio pelo extenso Rio São João (22 km).


quinta-feira, 27 de julho de 2017

FAZENDA MONTE CASTELO É UMA DAS ATRAÇÕES DO 8º CIRCUITO CULTURAL ARTE ENTRE POVOS




O 8º Circuito Cultural Arte Entre Povos inicia-se em Bom Jesus do Itabapoana no próximo dia 29 de julho, em grande estilo, visitando, às 9h, o Alambique Bousquet, que fabrica um dos melhores aguardentes do país.

Contígua ao alambique, está a sede da Fazenda Monte Castelo, que ainda ostenta os traços de uma grande época.

A comitiva prosseguirá, depois, visitando o belo Espaço Show, em Mutum de Baixo, terminando com visitação a pontos de interesse histórico na Usina Santa Maria.

Informações pelo celular 022-998317343 (André Luiz de Oliveira).


Alambique Bousquet


Sede da Fazenda Monte Castelo







CONTAGEM REGRESSIVA PARA O INÍCIO DO 8º CIRCUITO CULTURAL ARTE ENTRE POVOS



O ECLB (Espaço Cultural Luciano Bastos), estabelecido no antigo Colégio Rio Branco - fundado em 1920 - se prepara para mais uma ode à integração latino-americana 

Há 12 anos, ocorria nossa cidade a 1ª Exposição de Obras de Arte, com uma proposta de integração latino-americana. O evento se expandiu e, há 8 anos, iniciou-se o Circuito Cultural Arte Entre Povos, onde os artistas que vinham a Bom Jesus do Itabapoana passavam a se deslocar para outros municípios vizinhos.

Há três anos, o Circuito Cultural deixou de ocorrer apenas no sudeste, passando a ter etapas no sul e no nordeste. A organização nacional passou a ser dirigida pelo Centro Cultural Maria Beatriz, de Laje do Muriaé (RJ), que, com competência, tem consolidado este movimento que teve suas origens no interior do noroeste fluminense.

No 8º Circuito, a etapa sudeste contará com 8 municípios: Bom Jesus do Itabapoana e Laje do Muriaé, do estado do Rio de Janeiro, Mutum e Manhuaçu (Sacramento), de Minas Gerais, e Cachoeiro de Itapemirim, Guaçuí, Bom Jesus do Norte e São José do Calçado, do Espírito Santo.

No próximo sábado, o evento terá início em Bom Jesus do Itabapoana, com momentos significativos para o município, como, por exemplo, a reinauguração da sede do Santa Isabel F.C., que contém pinturas do artista plástico baiano Delio Porto, e a reconstrução do Forno Indígena, no distrito de Calheiros.










quarta-feira, 26 de julho de 2017

UMA VILA CHAMADA AMOR





Quem passa diante de um prédio azul localizado na Rua Aristides Figueiredo, no Bairro Pimentel Marques, jamais imaginará que, por trás de uma de suas portas, está uma obra inspirada há 400 anos atrás, em uma cidade da França.

Com efeito, há 400 anos atrás, Vicente de Paulo - que foi ordenado padre aos 19 anos de idade - conclamou os fieis a ajudarem uma família pobre da paróquia onde tinha se fixado. A resposta foi imediata e a família foi salva. A partir desta experiência, Vicente percebeu que a caridade, para ser concreta, deveria estar devidamente organizada.


É por isso que, neste ano de 2017, comemora-se os 400 anos da carisma vicentino. Com seu modo de agir, a Família Vicentina tem colaborado, de modo especial, para a transformação da sociedade.


A Vila Vicentina de Bom Jesus do Itabapoana, que pode ser considerada como a Vila do Amor, foi fundada há cerca de 30 anos atrás, e é constituída de 19 habitações simples, mas cheias de dignidade.


O casal Antonio Oliveira de Moraes - que completará 88 anos em outubro - e Ivanir Andrade Moraes - que fará 80 anos em setembro - residem no local desde o dia 22/10/1980. "Ajudei a terminar a casinha onde moro até hoje", diz Antonio, que nasceu em Sacramento, enquanto Ivanir nasceu na Fazenda das Areias, em Pirapetinga de Bom Jesus. 


Jacira Vicente da Silva, viúva, reside na Vila com seu filho João Batista Alves da Silva há cerca de 20 anos.


Gerildo Alves, de 69 anos, tem domicílio no local há cerca de 10 anos.


Rosa Cristina Alves da Silva mora na Vila com sua filha Daiane, há 9 anos, enquanto Maria Aparecida Alves da Silva reside no local há cerca de 8 meses.


O ponto comum entre todos é o relato da vida tranquila que levam, assim como as condições favoráveis para se manterem ali.


Segundo André Luiz de Oliveira, que é vicentino há 25 anos, "nossa entidade busca colocar em prática a caridade, com ações em favor dos mais necessitados. Em Bom Jesus do Itabapoana, temos três conferências: a de São Sebastião, São José Operário e São Vicente de Paulo. Uma quarta, a da Santa Terezinha, deve ser restabelecida em breve ", ressaltou.


Conhecida como SSVP, a Sociedade de São Vicente de Paulo foi fundada em Paris (França), no ano de 1833, por Frederico Ozanan - que tinha 20 anos à época -  e outros companheiros, como instituição de serviço voluntário de promoção humana e assistência social.

No Brasil, foi estabelecida com a instalação da Conferência São José do Rio de Janeiro, no dia 16/11/1872.

Em Bom Jesus do Itabapoana, a Conferência Vicentina fundou o Hospital São Vicente de Paula no dia 6 de janeiro de 1925. Onze anos depois, a Conferência transferiu o Hospital para o Centro Popular Pró-Melhoramentos, que havia sido fundado no dia 02/08/1936.


Hoje, os vicentinos têm motivo para comemorar. Perseverantes nas lições de São Vicente de Paulo, podem constatar que o objetivo de suas ações tem sido plenamente alcançado, contribuindo decisivamente na construção de um mundo melhor. 










Horta





Antonio Oliveira de Moraes e Ivanir Andrade Moraes: há 37 anos na Vila Vicentina


Antonio e a Capela de São Vicente de Paulo


Jacira Vicente da Silva e o filho João Batista Alves da Silva: 20 anos na Vila Vicentina


As irmãs Rosa Cristina Alves da Silva e Maria Aparecida Alves da Silva


Gerildo Alves: há 9 anos na Vila Vicentina


André Luiz de Oliveira é vicentino desde 1992


A batina preta de São Vicente representa o sacerdócio, o bebê no colo representa todos os incapazes, incluindo os idosos, e a menina simboliza os marginalizados 


logo
a

FÓRUM ESTADUAL DE SEGMENTOS ARTÍSTICOS




terça-feira, 25 de julho de 2017

IPÊS ROSA DÃO ESPETÁCULO EM BOM JESUS DO ITABAPOANA





Chegou a época do florescimento dos ipês rosa. Com isso, nossa cidade ganha contornos especiais, principalmente para quem passa pelas avenidas Roberto Silveira e Wilsonei Ferrero Fraga, em frente ao IFF, campus de Bom Jesus do Itabapoana, assim como pela Nova Bom Jesus. No distrito de Rosal, a lente de Daniela Gonçalves registrou todo o esplendor dos ipês rosa mesclados com prédios históricos.
























Fotos de Rosal ( fonte: Daniela Gonçalves)